Número total de visualizações de página

26 de abril de 2020

Dieta

Ilustração de Kana Handel
Não, João,
disse a mãe dos meus vizinhos,
não podemos ter um pirilampo.
Eu nem sei o que é que eles comem...
se dão luz
só podem comer lâmpadas,
disse o Manuel.

Afonso Cruz, in Paz traz paz, Companhia das Letras, 2019, p. 65

24 de abril de 2020

O que importa

Perguntou o Manuel:
Mamã, sabes o que é que eu às vezes penso?
Não, conta lá.

Ilustração de 陳姵含 Pei Han Chen 
Que isto onde nós estamos, o mundo, é um menino
a brincar com casas e árvores e carros
e aviões e animais
e bonecos.
A sério?
Pois é, imagina que o mundo está no quarto de um
menino e que ele está a brincar.
E depois hesitou:
Só não percebo como é que ele faz as ervas.

Ilustração de Olga Kvasha
Sim, o mais complicado são os pormenores,
pensei eu. Mas não lhe disse nada,
porque ele ainda é muito novo para se esquecer
de que as coisas pequenas
são muito importantes.

Afonso Cruz, in Paz traz paz, Companhia das Letras, 2019, p.37






23 de abril de 2020

Sonhar

Sonho muito porque quando estou a dormir
Ilustração de Станичнова Наталья
não tenho nada para fazer.
Depois de acordar,
continuo a sonhar muito porque tenho
muitas coisas para fazer.

Afonso Cruz, in Paz traz paz, Companhia das Letras, 2019, p. 35

16 de abril de 2020

A intensidade da vida


Ilustração de Jimmy Liao

...o tempo (...) longo ou breve, isso não tem importância porque a vida se mede pela intensidade com que é vivida...

Luís Sepúlveda, in História de um gato e de um rato que se tornaram amigos

15 de abril de 2020

Um poema

Ilustração de Shirin Sahba


Não tenhas medo
Ouve
É um poema
Um misto de oração e de feitiço
Sem qualquer compromisso,
Ouve-o atentamente
De coração lavado
Poderás decorá-lo e rezá-lo
Ao deitar,
Ao levantar
Ou nas restantes horas de tristeza
Na segura certeza
De que mal não te faz
E pode acontecer
Que te dê paz!

Miguel Torga

12 de abril de 2020

Conto de fadas

Ilustração de Tititi 

Era uma vez um conto de fadas. Estávamos
na terra do sonho; o castelo tinha torres
que chegavam à lua; e a noite quente do verão
entrava pelas janelas e tapava-nos
num aconchego de mãe. Neste sonho, não havia
ogres nem lobos maus; e um barco
branco esperava por nós, no porto da cidade,
para nos levar para o oriente onde o sol
nunca se põe. Nenhum de nós queria acordar
para não se esquecer deste sonho; e mesmo que
acordássemos, não iríamos abrir os olhos,
para não ver o que nos esperava, ao sair
do casulo dos sonhos. Mas, se acordássemos,
e abríssemos os olhos, e víssemos que tínhamos
saído da noite para entrar no dia, que já não é
um conto de fadas, podíamos dizer uns 
aos outros: "Este é o sonho de onde temos
de acordar, para voltar ao conto de fadas
onde a noite nunca se põe."

Nuno Júdice, in A matéria do poema

11 de abril de 2020

Silêncio

A última frase proferida por Thomas Merton, neste mundo, segundo o testemunho do Pe. F. de Grunne, que falou com ele em Banguecoque, imediatamente antes da sua trágica morte, foi a seguinte:

Ilustração de Lucio López Cansuet -Kansuet

" Aquilo que devemos fazer hoje, não é tanto falar de Cristo, mas deixar que Ele viva em nós, de tal modo que as pessoas possam encontrá-lo ao sentir como vive em nós". 


Tomás Halík, Paciência com Deus - Oportunidade para um Encontro
Paulinas Editora, 2012, 2ª ed., pp. 56-57 

10 de abril de 2020

Um mundo sem coração

Ilustração de Amy Casey
À luz da sua presença, o mundo em que Jesus entrou apresentava-se doente, vazio e introvertido - um mundo sem coração. Os que nele ocupavam as posições mais elevadas tinham corações de pedra e não de carne; os seus corações eram incircuncisos e estavam endurecidos; eram como sepulcros caiados, cheios de imundícies. 

Num mundo assim, muitas pessoas sentiam-se abandonadas como ovelhas sem pastor. E o próprio Jesus não consegue encontrar um lugar onde morar; Ele não tem onde reclinar a cabeça. 

É essa outra razão pela qual fala sobretudo a "pessoas situadas nas franjas" e se identifica com elas.

Tomás Halík, Paciência com Deus - Oportunidade para um Encontro
Paulinas Editora, 2012, 2ª ed., p. 45  

8 de abril de 2020

Para ser grande, sê inteiro


Ilustração de Maite Garcia Lliso



Para ser grande, sê inteiro:nada
teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
no mínimo que fazes.
Assim, em cada lago, a lua toda 
brilha porque alta vive.

Ricardo Reis