Número total de visualizações de página

27 de fevereiro de 2012

Perde-se com a idade um não sei quê


Perde-se com a idade um não sei quê
que era talvez sombra e sabor e até tristeza
e assim temos outra paz de inclinação 
em clareiras limpas tocadas de algum eco
melancólico e lúcido. E quase sem ilusão
entregamo-nos ao âmbito de uma paz
que é a medida do mundo quando nada
se nos oferece senão o habitar
Ilustrações de Sam Hyuen Kim
aquelas horas de um universo que
é no silêncio glória obscura e transparente
Assim nos inebriamos também da madurez
procurando a inocente incandescência
do tempo quando ilumina as clareiras
e é como se nada ainda fosse passado
na onda lenta que ascende sobre o peito
e que desperta um vago núcleo que inicia

António Ramos Rosa, in O Livro da Ignorância, 1988

Hino

Ilustração de Alexander Grishkevich
O poema serve para alimentarmos a cumplicidade.

O poema serve para nomearmos o indizível, para expressarmos o silêncio, para bebermos os dois do copo da beleza e da magnanimidade.

O poema serve para nos lermos e dizermos de nós.

O poema serve o sublime.


Maria Carla