Número total de visualizações de página

13 de maio de 2014

Ondados fios de ouro reluzente

O Nascimento de Vénus, de Boticelli


Ondados fios de ouro reluzente,
Que, agora da mão bela recolhidos,
Agora sobre as rosas estendidos,
Fazeis que a sua beleza se acrecente;

Olhos, que vos moveis tão docemente,
Em mil divinos raios encendidos,
Se de cá me levais alma e sentidos,
Que fora, se de vós não fora ausente?

Honesto riso, que entre a mor fineza
De perlas e corais nace e parece,
Se na alma em doces ecos não o ouvisse!...

Se imaginando só tanta beleza,
De si, em nova glória a alma se esquece,
Que será quando a vir?... Ah! Quem a visse…


                                                 Luís de Camões

Presença bela, angélica figura

A Primavera, de Boticelli

Presença bela, angélica figura,
Em quem, quanto o Céu tinha, nos tem dado;
Gesto alegre, de rosas semeado,
Entre as quais se está rindo a Fermosura;

Olhos, onde tem feito tal mistura
Em cristal branco e preto marchetado,
Que vemos já no verde delicado
Não esperança, mas enveja escura;

Brandura, aviso e graça que, aumentando
A natural beleza c'um desprezo
Com que, mais desprezada, mais se aumenta;

São as prisões de um coração que, preso,
Seu mal ao som dos ferros vai cantando,
Como faz a sereia na tormenta.


                                   Luís de Camões