Número total de visualizações de página

1 de novembro de 2012

Não há ninguém à entrada de novembro


Não há ninguém à entrada de novembro.
Vem como se não fora nada.
A porta estava aberta,
entrou quase sem pisar o chão.

Não olhou o pão, não provou o vinho.
Não desatou o nó cego do frio.
Só na luz das violetas se demora
sorrindo à criança da casa.

Essa boca, esse olhar. Essa mão
de ninguém. Vai-se embora,
tem a sua música, o seu rigor, o seu segredo.
Antes porém acaricia a terra.

 
Ilustração de Sandra Bierman
 Como se fora sua mãe.  


Eugénio de Andrade, in Branco no Branco

Sem comentários:

Enviar um comentário