Número total de visualizações de página

18 de setembro de 2012

O universo bocagiano e o locus horrendus

 
Ó retrato da Morte! Ó Noite amiga,
Por cuja escuridão suspiro há tanto!
Calada testemunha de meu pranto,
De meus desgostos secretária antiga!

Pois manda Amor que a ti somente os diga
Dá-lhes pio agasalho no teu manto;
Ouve-os, como costumas, ouve, enquanto
Dorme a cruel que a delirar me obriga.

E vós, ó cortesãos da escuridade,
Fantasmas vagos, mochos piadores,
Inimigos, como eu, da claridade!

  



 Em bandos acudi aos meus clamores;
Quero a vossa medonha sociedade,
                                                Quero fartar o meu coração de horrores.
  

Bocage

7 comentários:

  1. É sem dúvida um poema baseado na noite e na morte, onde o sujeito poético afirma com convicção que só neste meio se sente compreendido. Aliás, podemos associar a imagem repetida do mocho com a afirmação que este faz a respeito dos cortesãos da escuridade, os seres fantasmagóricos, que são parte intregante dos seus clamores. Acabando por mostrar que tem necessidade de sentir tudo com imensa intensidade.

    ResponderEliminar
  2. Este soneto de Bocage apresenta-nos uma atracão pela morte, pela noite, pelo escuro, pelo horrendo, pelo fantasmagórico. O sujeito poético sente-se à vontade com este tipo de ambiente, pois sofre pelo Amor e a noite é a única confidente que ele procura. Neste ambiente entram os seres maravilhosos, como os fantasmas, as rãs, o rouxinol os mochos.. É aqui que ligamos as imagens ao poema, pois as imagens apresentam-nos um dos seres fantasmagóricos onde o sujeito poético encontra estabilidade. Este não quer sair do ambiente, quer continuar no escuro, no seu enorme pranto.

    Filipa Eça Fonseca, nº13, 11º6

    ResponderEliminar
  3. Neste poema a relação entre as imagens e o soneto é sem duvida a mais certa, porque este poema faz-nos ver o outro lado do obscuro, faz-nos ver a noite por dentro e conhecer os amigos da noite, é sem duvida um poema de horror e os mochos são sem duvida um animal da noite, da morte, do horror de tudo o que se liga ao lado mais obscuro da noite.

    ResponderEliminar
  4. Este poema mostra com clareza que o sujeito poético tem gosto pela solidão e pela noite, pois prefere estar apenas com a noite, a sua única confidente. O egocentrismo também está presente, visto que o poema é centrado no "eu" poético. O sujeito poético revela ainda os seus sentimentos, tendo em conta que é um homem de muitas mulheres.O maravilhoso horrendo e os seres sombrios que isto implica, tais como os mochos e os fantasmas, estão também evidenciados. É aqui que se estabelece uma relação entre o poema e a imagem de um mocho a aproveitar a sua desejada escuridão.

    ResponderEliminar
  5. Na minha opinião, as imagens estão directamente relacionadas com o tema do poema, ou seja, a noite e o gosto pela escuridão. Sendo este um poema maioritariamente constituído por elementos pré-românticos(como a exacerbação dos sentimentos e o egocentrismo), o principal elemento é o emprego dos " fantasmas vagos", dos " mochos piadores" que irão ajudar o sujeito poético a "fartar" o seu coração de horrores.Ao mesmo tempo, estes " fantasmas" remetem a paisagens lúgubres, obscuras, o ambiente próprio destes animais. Daí a ligação entre as imagens e o poema.


    Lenise Rosário,nº19,11º6

    ResponderEliminar
  6. A relação entre as imagens e o poema é clara. Apesar da existência de outras características típicas dos sonetos bocageanos ,as mais evidentes e que se relacionam directamente com as imagens são o maravilhoso horrendo e o 'locus horrendus'.
    O uso do vocabulário do maravilhoso horrendo como , "fantasmas vagos" , "mochos piadores" relaciona-se com as imagens dos mochos enquanto que o ambiente do 'locus horrendus' (morte , escuridão , pranto , desgosto , cruel , escuridade , horrores...) também se relaciona mas devido á cor escura de fundo e á presença da lua ( relaciona-se com a noite).


    Ana Pinto , nº3 , 11º6

    ResponderEliminar
  7. Este poema de Bocage é baseado na morte e na noite, fazendo dele um poema pré-romantico. Este poem está tambmbém associado à imagem dos mochos, pois este animal está ligado à noite. O sujeito poético encontra-se feliz e descançado por estar num lugar tão escuro e sombrio pois sente que só aí é entendido e que apenas a noite é a sua confidente. O sujeito poético evoca também os fantasmas "Fantasmas vagos". Todos estes elementos criam o "locus horrendus", uma atmosfera escura, melancolica e sombria.

    Daniela Mota nº10, 11º6

    ResponderEliminar