Número total de visualizações de página

19 de setembro de 2012

Meu ser evaporei na lida insana

Akzhana Abdalieva
David Galchutt


Meu ser evaporei na lida insana
Do tropel de paixões, que me arrastava;
Ah! cego eu cria, ah! mísero eu sonhava
Em mim quase imortal a essência humana.

De que inúmeros sóis a mente ufana
Existência falaz me não dourava!
Mas eis sucumbe a Natureza escrava
Ao mal, que a vida em sua orgia dana.


David Galchutt
 
Prazeres, sócios meus, e meus tiranos!
Esta alma, que sedenta em si não coube,
No abismo vos sumiu dos desenganos.

Deus, oh Deus!... Quando a morte à luz me roube,
Ganhe um momento o que perderam anos,
Saiba morrer o que viver não soube.



Bocage

5 comentários:

  1. A relação entre o poema e as imagens é bastante clara. Tal como o próprio sujeito afirma, toda a sua existência foi um conjunto de paixões, encaixando assim as várias figuras femininas das imagens, para as quais o mesmo se deixou arrastar, acabando preso numa escravidão para com o destino. Levando o próprio a perder assim a noção da sua vida.

    ResponderEliminar
  2. Neste poema a relação entre o poema e as imagens é óbvia, tratando-se de um poema sobre as tantas paixões que o sujeito poético afirma ter tido as várias imagens com figuras femininas faz todo o sentido. Também posso retirar daqui que por ter tantas paixões e não conseguir ficar com nenhuma o sujeito poético fica preso a elas não se conseguindo libertar.

    ResponderEliminar
  3. A associação entre as imagens e o poema é relativamente básica. No poema, o sujeito poético sofre por achar que não aproveitou a sua vida devidamente e gastou-a tendo-se levado pelo " tropel de paixões". Logo as imagens estão relacionadas com o poema porque representam o entrelaçar de relações, o sentimento que levava o sujeito poético a ter várias paixões, sendo que este sentimento provocou um certo "desaparecimento" do ponto de vista de não ter gozado a vida como devia, do que se vem a arrepender no final do poema " Saiba morrer o que viver não soube".


    Lenise Rosário, nº19, 116

    ResponderEliminar
  4. Este soneto de Bocage é o espelho das imagens. O sujeito poético deixou-se arrastar pelo sentimento amoroso, pelo tropel de paixões. Acreditou até ao ultimo segundo que poderia vivê-lo como planeado mas foi arrastado pela corrente da traição, da morte, do desencanto. Então, estas imagens mostram a mulher amada, a paixão, o amor ideal.

    Filipa Eça Fonseca, nº13, 11º6

    ResponderEliminar
  5. Este é um poema que trata da vida romântica do sujeito poético send assim associado a imagens de diversas mulheres. Bocage viu-se envolvido em diversas paixoes e em todas elas acreditava que tinha encontrado aquilo que procurava, sendo sempre traído pelo destino.

    ResponderEliminar