Número total de visualizações de página

23 de setembro de 2012

As meninas de Avignon

Picasso, Les Demoiselles d'Avignon
Provavelmente, Picasso não pintou as meninas
de avignon a pensar nos homens que iam às meninas 
em avignon; nem se serviu das meninas de avignon
quando as pintou, a partir de mulheres que
não eram meninas, mas modelos, e a quem pedia que
se comportassem como as meninas de  avignon, nuas, na
sala de espera do bordel onde os homens de avignon,
quando iam às meninas, as escolhiam a dedo, ou só
ao acaso, porque o que eles queriam não precisava
de grande escolha, mas de um corpo, e qualquer corpo
servia para esses homens que não sabiam que
Picasso iria pensar as meninas de  avignon para que
eles não voltassem ao bordel sem pensar, primeiro, 
nas meninas de Picasso, e só depois nas meninas
de avignon. Também eu, um dia, quando fui
a avignon, pensei nas meninas de Picasso, sem
pensar que eram as mesmas meninas que havia 
em avignon, onde Picasso as foi buscar. Mas 
não as vi: as meninas de avignon escondem-se de
quem vai a avignon sem saber onde elas estão,
a não ser no quadro de Picasso, que não está 
em avignon. E é provável que, se as visse,
pensasse nelas, e não nas meninas de Picasso, para
as pôr num poema que se poderia chamar
como o quadro de Picasso, para que entre as meninas
de Picasso e as meninas do meu poema não houvesse
nenhuma diferença, como se fosse possível passar
das meninas de Picasso para as meninas do meu poema
através da ponte de avignon.

 Nuno Júdice, in A matéria do poema

Picasso, Les Demoiselles d'Avignon

Sem comentários:

Enviar um comentário